Início / Embalagens Flexíveis / Case de Sucesso: Com os olhos voltados para o futuro da Flexografia

Case de Sucesso: Com os olhos voltados para o futuro da Flexografia

A Miraclon apresentou um case de sucesso da Steurs Graphic Solutions que tem muita história para contar – uma trajetória de 70 anos que começou em 1949, quando os dois irmãos Steurs, de Antuérpia, se juntaram para criar a empresa que se tornaria referência entre companhia de pré-impressão para embalagens na Bélgica.

Mesmo com sete décadas de história, os olhos da empresa seguem fixos tanto no presente, como no futuro – isto é, seguindo na criação de soluções para o hoje e amanhã, como frisa o slogan da Steurs Graphic Solutions.

“Trabalhamos nos três processos – rotogravura, offset e flexografia – e em todo o espectro de materiais de embalagem: metal, plástico, embalagens flexíveis, vidro e papel. Portanto, não estamos apenas operando em um setor que está em constante mudança, mas onde cada marca, gráfica e convertedor tem suas próprias necessidades. Todo ambiente é diferente. ”Ele acrescenta, no entanto, que existem alguns desafios que todos esses jogadores enfrentam. “Para se destacar, a embalagem precisa causar impacto. Chamamos isso de ‘chegar ao coração’ do consumidor. E o impacto é uma combinação de coisas – cor, qualidade de imagem e, é claro, criatividade”, conta Dirk Cantens, gerente geral da Steurs Graphic Solutions.

Pesquisa e desenvolvimento como diferenciais

A Steurs oferece a seus clientes prestação de serviços de pré-impressão, pré-mídia e design criativo em 360 graus. Desde 2014, outra área a que a Steurs se dedica é o departamento de P&D, encarregado do desenvolvimento de soluções.

“A pesquisa e o desenvolvimento são essenciais para a nossa filosofia, que é ser um parceiro completo de pré-impressão. Para isso, você precisa inovar – para desenvolver soluções personalizadas para os desafios dos clientes. O departamento trabalha em estreita colaboração com nossos gerentes de vendas e produção, e quase sempre está na presente quando conversamos com marcas e convertedores. Acreditamos que somos o único fornecedor de pré-impressão em nossa região que faz isso”, comenta Cantens.

Após o briefing inicial, a P&D cria um plano de projeto para estabelecer as etapas necessárias para desenvolver e implementar a solução proposta – por exemplo, testes personalizados na gráfica, seguidos de análises aprofundadas. Em seguida, a Steurs cria as soluções proprietárias de triagem e / ou gerenciamento de cores – S-dot e S-color, respectivamente – necessárias para entregar o projeto e enviar recomendações ao cliente. Após o logoff, as soluções são implementadas no fluxo de trabalho.

Ampliando o apelo da Flexo

O S-dot foi um dos primeiros produtos do setor de P&D da Steurs, e ilustra o pensamento por trás da decisão de criar o departamento.

Cantens explica que o objetivo inicial era ampliar o apelo da Flexografia para marcas e convertedores.

“Aceita-se que a flexo tenha vantagens sobre o offset e a rotogravura: custo mais baixo, maior flexibilidade em relação aos substratos e prazos mais curtos – e todos são importantes para as marcas e suas gráficas. Mas, no passado, as dúvidas sobre a qualidade e a consistência da impressão eram superiores a esses benefícios – coisas como densidades mais baixas e outros desafios”, diz. “Contudo, isso mudou quando a tecnologia Flexcel NX entrou em cena e, na última década, deu saltos significativos. Então, decidimos fazer do NX a plataforma para uma nova estratégia para promover a flexografia como uma alternativa aos outros processos. Tornamos isso uma prioridade para o setor de pesquisa e desenvolvimento para desenvolver soluções flexográficas de alta qualidade para aumentar a qualidade e estabilidade.”

Ele descreve o S-dot como um grupo de tecnologias de triagem que a Steurs aplica ao Flexcel NX para controlar a transferência de tinta e o ganho de pontos em áreas específicas da imagem – ou através da chapa.

“Isso significa que podemos imprimir densidades variáveis ​​da mesma cor na mesma chapa, reproduzindo densidades mais altas para cores sólidas e reduzindo o ganho de pontos nas áreas filtradas. Não há margem nos códigos de barras e o texto é mais nítido. Qualquer que seja o substrato, podemos garantir esses resultados. Hoje, mais e mais marcas estão convencidas dos benefícios da flexografia, as preocupações com a qualidade desapareceram e estão dispostas a considerar a transferência de produtos”, reforça.

Questionado sobre como a Steurs defende flexografia para marcas e convertedores, a resposta de Cantens é concisa: “Simplesmente mostramos a eles. Temos um número crescente de projetos bem-sucedidos em nosso portfólio; eles mostram o que é possível se fazer, o tempo de lançamento no mercado mais curto, os custos mais baixos etc.”

A Steurs também pode mostrar aos clientes em potencial uma série de prêmios em como o Prêmio Benelux de Inovação em Embalagens (para S-dot) e um prêmio de ouro no Kodak Global Flexo Innovation Awards de 2018. A entrada, impressa em CMYK em material PET-G, foi um projeto conjunto entre a Steurs e a gráfica Helios Packaging, com quem a Steurs trabalha desde 2016. O relacionamento surgiu quando a Helios – predominantemente produtora de rotogravuras – decidiu concentre-se 100% no flexo.

Essa mudança radical na estratégia foi impulsionada por três novos requisitos do cliente: prazos de entrega mais curtos, execuções mais curtas e maior eficiência de custos.

“Foi uma decisão ousada da Helios”, diz Cantens, “mas baseada em um entendimento claro de como o mercado está mudando, principalmente no setor de varejo onde está a maioria dos negócios da Helios. Foi feito com os olhos no futuro. Aproximar-se da Steurs foi um próximo passo natural, e nos últimos três anos houve um progresso constante no teste e no ajuste da nova tecnologia S-dot.”

O resultado é um número crescente de marcas que escolhe a flexografia como alternativa à rotogravura e offset. “Não precisamos vender de maneira agressiva”, diz Cantens. “Tudo o que as marcas pedem é que o resultado da flexo seja igual ou melhor que a rotogravura e que o design não precise ser alterado”, diz Cantens.

Ele reconhece que ainda existe uma percepção persistente de que a qualidade é um problema, mas diz que está diminuindo cada vez mais o registro de gravações na Flexografia. “A cada dia estamos provando o contrário.”

Sobre admin

Avatar

Veja Também

CRON lança o “CTP mais rápido de todos os tempos” com tambor duplo

CRON, lider mundial na fabricação de equipamentos CTP para chapas Térmicas, Convencionais e Flexografia lançou …